Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Como o Big Data pode apoiar no orçamento empresarial

Hoje em dia tem sido um desafio muito grande entender as tendências e as demandas do mercado.

Até mesmo o instinto empreendedor de muitos gestores e proprietários de empresas não está sendo suficiente para definir com assertividade o caminho a ser trilhado pelas empresas que, em muitos casos, também contam com uma gama de dados históricos internos, o que pode contribuir para a tomada de decisões, sejam elas envolvendo ou não o orçamento empresarial.

Falando de uma forma geral, o Brasil e o mundo estão atravessando um momento crítico para praticamente todos os negócios. Internamente, além de uma recessão considerada técnica se desenhando, o mundo também está acompanhando uma estagnação, causada principalmente pela guerra comercial criada entre os Estados Unidos e a China. Muitos investidores já deixaram o Brasil desde janeiro de 2019. Estima-se algo em torno de R$ 19 bilhões.

O que nos resta fazer diante desse mundo tão dinâmico e do excesso de informação? Uma boa opção é desenvolver ou utilizar alguma ferramenta que nos permita buscar o maior número de informações, nas mais diversas fontes, sejam elas internas ou externas, e que possam de alguma forma ser úteis para a organização. 

Através desta mineração de dados, podemos explorar informações das mais diversas fontes internas. Já utilizando tecnologias de Big Data o potencial de exploração é exponencialmente maior, utilizando fontes de dados externas maiores e não estruturadas.

A quantidade aumenta consideravelmente à medida que novos meios digitais aparecem para gerar dados não só a cada dia, mas a cada minuto, segundo. O Cruzamento destas informações gera muitos insights e podem levar a tomada de decisões estratégicas de uma organização.

Para ilustrar um pouco mais e termos uma ideia da quantidade de informações que são geradas a cada minuto, separamos alguns dados gerados pela empresa DOMO. Confira na imagem:


Fonte: https://www.domo.com/learn/data-never-sleeps-7

Como conectar tudo isso com o planejamento orçamentário?

Pelo Big Data é possível identificar informações para entender ou prever o cenário do mercado, as necessidades de determinado público, entre outras análises. Já existem alguns conceitos formados de como deve ser feita essa “mineração”. O quadro abaixo retrata de forma simples os passos, processos KDD e Data Mining.


Fonte: https://infovis-wiki.net/wiki/Knowledge_Discovery_in_Databases_(KDD)

É até difícil imaginar o volume de informações coletadas e o tamanho do repositório onde são guardadas. Mas precisamos admitir que é uma realidade. Segundo o especialista em Ciência de Dados, Daniel Bernardo, “estes dados mostram que a quantidade de dados gerados pela humanidade é realmente muito impressionante. Sem dúvidas isto vem revolucionando a maneira como vivemos e como trabalhamos.

Pensando nisso, empresas já enxergam os dados como um ativo estratégico para obtenção de vantagem competitiva. Contudo, coletar, armazenar, processar e obter insights desta montanha de dados é um grande desafio, o que pode exigir uma adequação na cultura das empresas e das pessoas responsáveis pelas tomadas de decisões destas”.

Exemplificando de uma forma um pouco mais estruturada, o que é importante considerar no orçamento empresarial:

a) Buscar nas mais diversas fontes de informações, sejam internas ou externas, dados que possam ser úteis para a organização.

b) Catalogar por área de interesse estas informações:

1 – Mercado;
2 – Produtos;
3 – Tendências: mercado interno e mercado externo;
4 – Política regional e estadual: incentivos, retirada de incentivos, investimentos do governo;
5 – Política federal: incentivos, retirada de incentivos e investimentos;
6 – Política internacional: tendências de abertura/fechamento de mercados;
7 – Consumidor;
8 – Logística;
9 – Informações sobre o clima;
10 – Investimentos Externos;
11 – Financeiras: variação nas taxas de juros e dinheiro disponível no mercado de ações;
12 – Novas tecnologias;
13 – Startups.

c) Com o conhecimento adquirido, desenvolver uma “metodologia para tomada de decisões”.
d) Com as variáveis, simular cenários para checar a consistência das informações que geraram o conhecimento.
e) Minimizar o tempo operacional dos gestores.
f) Maximizar o tempo para tomada de decisões.

Depois de tudo isso, cabe aos gestores traçar a melhor estratégia para buscar as informações certas e transformá-las em conhecimento.

Após, com o conhecimento adquirido, devem criar variáveis que possam afetar positivamente no resultado. Para medir todos os efeitos das variáveis, o ideal é investir em uma ferramenta que permita criar um número ilimitado de cenários em todas as peças que compõe o orçamento empresarial e, com isso será mais fácil tomar uma decisão assertiva.

A Handit possui uma solução completa e flexível para o planejamento econômico e financeiro da sua empresa. Permite fazer inúmeras projeções e previsões com base em premissas e variáveis, minimizando o tempo operacional dos gestores e maximizando o período para a tomada de decisões.

Fred Zibell
Com mais de 30 anos de vivência em controladoria, acumulou sua experiência como gestor de contabilidade e finanças em empresas multinacionais. Contador, possui especialização em Ciências Contábeis pela Fundação Getúlio Vargas, além de sua expertise na área de tecnologia da informação.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conheça nossos cases de Sucesso

Leia outros artigos