Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Blog Handit CONTROLADORIA-MODERNA-E-DIFERENTES-FUNCOES

Controladoria moderna e diferentes funções

Iniciando sua aparição por volta da década de 90, a controladoria é uma área na empresa que dá suporte para todas as demais áreas. Ela tem como papel fundamental produzir informações que são indispensáveis para a gestão de acordo com o modelo de negócios e a forma de gerir a cultura empresarial de cada negócio.

A controladoria em partes

Pode-se dizer que a controladoria é dividida em três partes, sendo cada uma delas utilizada de acordo com a necessidade da empresa. São elas: operacional, tática e estratégica.

A primeira delas, a operacional, cuida dos controles internos, das informações que são base para todas as operações em todas as áreas. Quando falamos de controladoria operacional, estamos falando da área do financeiro, comercial, produção, logística, marketing entre outras. Pois, para qualquer operação, a empresa precisa ter as informações que venham da base e ela é construída a partir das políticas, normas e procedimentos. Por exemplo, a política de compras: a partir da política de compras que é definida, você tem os controles internos necessários, os níveis de alçada de aprovação e toda a cadeia que vai surgir a partir disto.

A tática é aquela do gerente, gerente comercial, de produção, de logística, ou o financeiro. Gerência significa dar norte para a equipe. Esta produz as informações, porém de uma maneira menos detalhada da operacional, dando suporte ao gerente para criar metas e condições para que as ações estabelecidas no planejamento estratégico sejam atingidas.

Já a estratégica é aquela que está produzindo informações e indicadores estratégicos que dão direção à operação, que são necessariamente controlados e analisados conforme a estratégia da organização. O controller neste tipo de controladoria, é tido como a principal figura de apoio à gestão e tomada de decisão, em muitos casos ele não é o diretor, mas é quem leva todas as informações para os diretores. O planejamento estratégico é a visão do futuro da organização, por meio de números e indicadores, seja pela construção de um orçamento trazendo a projeção de 1 ano até 10 anos, por exemplo. A construção de cenários estratégicos para os próximos anos e quais condições apresentam os melhores resultados.

Os quatro pilares (pneus) da controladoria

O contador e professor Roberto Aurélio Merlo faz uma analogia da controladoria como os quatro pneus de um carro.  “Se um dos quatro pneus não estiver em boas condições, o carro sai da estrada. A controladoria, para a empresa, é a mesma coisa”. 

Merlo ainda explica qual o papel de cada um deles na gestão de uma empresa. “O primeiro refere-se ao patrimônio, sendo responsável por todos os controles. O segundo está ligado aos três parafusos que seguram o pneu na roda, que é a demonstração de resultados, o fluxo de caixa e o balanço patrimonial, os três parafusos têm que estar muito bem ajustados. O terceiro pneu refere-se a um pneu careca, representando o risco tributário, trabalhista, ambiental, operacional de continuidade dos negócios, econômico e financeiro das empresas, sendo a controladoria a responsável por medir isso. E, por fim, o quarto pneu deve ter o tamanho correto  para o carro, de acordo com o que o fabricante pede. Imagine um pneu aro 18 com uma roda aro 14? Isso acontece quando a empresa está pagando mais tributos do que deveria, significando de forma geral que aquele negócio não tem uma controladoria para que isso não ocorra”.

Do especialista para o generalista

“Existem pessoas muito técnicas na área contábil,  que acabam migrando para a controladoria e em um primeiro momento, nessa parte mais operacional, continuam sendo muito técnicas. Porém, quando pensamos na gestão tática para a estratégia, eu acredito que precisamos trabalhar a gestão empresarial, de pessoas, a visão da cadeia como um todo, mais geral e ampliada.

O gestor tem essa visão mais aberta e sistêmica do todo, mas, muitas vezes, ele tem isso com base no feeling e na experiência e não tanto na técnica. Então, faz-se necessário unir esses dois universos e, no momento de ir para a controladoria, partir do especialista para o generalista”.


Gabriel Barbieri
Diretor de negócios na Handit Sistema.


Roberto Aurélio Merlo
Contador, Especialista em Controladoria, Controller Empresarial, Assessor em Controladoria de Gestão, Mestre em Administração e Professor.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conheça nossos cases de Sucesso

Leia outros artigos