Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Desenvolvimento do Orçamento no RH

Iniciamos esse tema com análises e questionamentos a respeito do desenvolvimento de orçamento no RH. Projetando um cenário onde ocorreu um reajuste nos salários de 10%, qual o impacto no centro de custo pela ótica da controladoria?

Esse é um tema bastante diversificado. Cada empresa ou gestão abordará de uma maneira a análise do impacto que gerará um reajuste salarial dentro do centro de custo. Abordando o tema de forma mais aprofundada, reajustando todo o quadro de colaboradores em 10% precisamos nos questionar sobre:

  • Qual o reflexo desse reajuste dentro da minha produção?
  • Quanto isso irá refletir dentro do custo do meu produto?

Os dois casos requerem uma análise de reflexos, tanto na margem de contribuição dos produtos e serviços, como também, um possível reajuste de preço.

Nestes contextos, será necessário simular os efeitos resultantes deste reajuste.

O quanto a margem individual de cada produto ou grupos de produtos e serviços será afetada e responder se podemos absorver este reajuste. Caso não seja possível, precisamos criar mais cenários, observando o efeito no aumento de preço dos produtos e serviços e nos questionar de quanto o mercado, na atual situação, pode absorver estes reajustes nos preços.

Caso contrário necessita-se de uma redução desses 10% (referente ao reajuste salarial) em outro ponto da produção para não impactar no preço de venda.

Sob outro aspecto, podemos gerar um cenário considerando que o mercado está disposto a absorver um aumento de volume de um determinado produto ou grupo de produtos e serviços em 10%.

Neste cenário poderemos observar alguns aspectos importantes e relevantes na tomada de decisão.

Identificar se teremos capacidade de máquinas e pessoas para absorver este volume. Após isto, caso não haja capacidade para absorver este volume, definir estratégias para atender o mercado, seja ela de contratação de pessoas, seja de terceirização de uma ou algumas operações, ou até mesmo, simular um cenário com a execução de horas extras.

Caso haja necessidade de investimentos em equipamentos, simular o efeito desta ou destas aquisições, tanto no resultado (via depreciações) e o reflexo destas aquisições no fluxo de caixa.

Normalmente os responsáveis pelo PCP (Planejamento Controle de Produção) já possuem uma estimativa de horas que serão necessárias para produzir este produto ou grupo de produtos e serviços, que facilita em muito a simulação dos cenários.

Assista na íntegra o nosso parceiro Especialista em Gestão Orçamentária Fred Zibell debatendo sobre o tema com o Consultor de Implantação Paulo Assini:

Fred Zibell
Com mais de 30 anos de vivência em controladoria, acumulou sua experiência como gestor de contabilidade e finanças em empresas multinacionais. Contador, possui especialização em Ciências Contábeis pela Fundação Getúlio Vargas, além de sua expertise na área de tecnologia da informação.
 

 

 
Paulo Assini
Consultor de Implantação.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conheça nossos cases de Sucesso

Leia outros artigos